• Viação Cometa inaugura guichê para viagens intermunicipais

    Autor:

    Redação

    Data: 30/05/2014

    Viação Cometa vende passagens em terminal.

    Viação Cometa vende passagens em terminal.

    A viação Cometa ganhou uma concessão para os próximos 30 meses com a intenção de vender passagens de ônibus intermunicipais dentro do Terminal São Paulo.
    Até 2017, o terminal rodoviário que oferece linhas rodoviárias para diversas cidades da região metropolitana de São Paulo, terá um ponto de venda exclusivo para atender clientes da companhia de ônibus mais famosa do Estado.
    O ponto de venda de bilhetes já está em funcionamento desde quarta-feira da semana passada. Os valores da tarifa são os mesmos cobrados dentro da estação rodoviária.
    Outras empresas de ônibus mostraram interesse em se instalar no espaço concedido por regime de permissão onerosa de uso. A Cometa, porém, vendeu a concorrência, disposta a pagar mais pelo local, conforme está estabelecido pela Lei de Licitações.

    De acordo com dados da Urbes que cuida do trânsito e do transportes rodoviários da cidade paulista, representantes da auto viação deram lance no valor de R$ 4.201,10 a serem pagos mensalmente para conquistar o direito de comercializar as passagens rodoviárias. No total, o investimento deve ultrapassar a casa dos R$ 126 mil até que o contrato acabe. Se a empresa achar viável, poderá renovar a aquisição do guichê rodoviário por mais 30 meses.

    Consulta de passagens de onibus sobe e aviões param

    Autor:

    Redação

    Data: 16/10/2013

    Consulta passagens de ônibus positiva

    Enquanto a compra e a consulta de passagens de onibus estão aquecidas no setor, empresários e donos de companhias de aviações tentam negociar medidas com o Governo Federal para sair da crise que assola o meio aéreo. Segundo pronunciamento do ministro da Secretaria de Aviação Civil, Wellington Moreira Franco, o governo não vai mais bancar as instabilidades econômicas do setor. Por causa da crise, quatro das principais empresas de avião do país, a TAM, Gol, Azul e a Avianca, se reuniram com o ministro para apresentar um plano com medidas a fim de reduzir os custos na operação das viagens. Wellington reconhece que o setor não passa por um bom período, justamente por causa do dólar, e por isso mesmo defende que a responsabilidade de passar por esses desafios é aa própria empresa.

    O motivo pelo qual tem prejudicado as receitas das companhias aéreas brasileiras e alavancado as passagens de ônibus é o preço cobrado pelo combustível das aeronaves que na verdade são pagos em dólar. O ministro da Secretaria de Aviação Civil acha que as melhorias nos aeroportos também dependem de mais investimos na frota das companhias de avião. Para ele é preciso que os responsáveis garantam mais segurança para quem viaja e possa oferecer serviços mais baratos como é feito pelos bilhetes de ônibus. Em novembro, o responsável pela pasta deve lançar um edital para modernização de 45 aeroportos regionais, que já foram construídos mais ainda não estão abertos por falta de estrutura.